quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

e já temos LIVREIRO DA ESPERANÇA 2014

O diploma «Livreiros da Esperança» — uma homenagem das gentes do livro aos livreiros portugueses que reconhece o papel central que esta classe profissional desempenha na «publicação» da leitura — é uma iniciativa do movimento Encontro-Livreiro e foi instituído e atribuído pela primeira vez em 2012.

Em 2014, o Encontro-Livreiro homenageia o livreiro 
ANTERO BRAGA 
Livraria Lello / Prólogo Livreiros | Porto 

O diploma «Livreiro da Esperança 2014» será entregue no 

V ENCONTRO LIVREIRO
a realizar na tarde do dia 30 de Março, domingo, na 
LIVRARIA CULSETE | SETÚBAL


Antero Braga é natural da freguesia do Bonfim, no Porto, onde nasceu no dia 17 de Agosto de 1950. 

Desde 1968, ano em que começou a trabalhar na Bertrand da 31 de Janeiro, na sua cidade natal, desempenhou diversas funções naquela empresa editorial, distribuidora e livreira (no Porto, em Aveiro e em Lisboa, assumindo responsabilidades tanto a nível local e regional como a nível nacional), tendo sido gerente de loja, chefe do departamento de lojas e agências, director-geral e administrador. 



Entre uma saída e um regresso à Bertrand, trabalhou ainda na distribuidora Jardim (grupo brasileiro Abril Cultural), como responsável do departamento de promoções e publicidade, tendo neste âmbito colaborado no programa televisivo «O Passeio dos Alegres», de Júlio Isidro. 
Mas a grande aposta de vida de Antero Braga — contra a opinião de muitos, mesmo dos mais próximos — foi a criação da Prólogo Livreiros, em 1994, e a renovação e dinamização da Livraria Lello, a emblemática livraria do Porto, reconhecida internacionalmente como uma das melhores e mais belas livrarias do mundo. 
Trocando, a nível profissional, o certo pelo incerto, mas dando asas aos seus sonhos e transformando-os quotidianamente em realidade, Antero Braga fez e continua a fazer de uma livraria que encontrou decadente e em grandes dificuldades uma referência incontornável no conjunto das livrarias portuguesas. 
Antero Braga é, para nós, um exemplo de persistência e um sinal de esperança para o futuro. E é merecedor desta singela homenagem das gentes do livro e do Encontro-Livreiro. 

Obrigado, Antero Braga!


Para sempre merecedores da nossa gratidão, fazem agora parte da galeria dos «Livreiros da Esperança» os seguintes livreiros: 


Livreiro da Esperança 2012 
Jorge Figueira de Sousa 
Livraria Esperança | Funchal 
Livreiro da Esperança 2013 
Caroline Tyssen e Duarte Nuno Oliveira 
Livraria Galileu | Cascais 
Livreiro da Esperança Especial Culsete - 40 Anos 
Manuel Medeiros e Fátima Ribeiro de Medeiros 
Livraria Culsete | Setúbal 
Livreiro da Esperança 2014 
Antero Braga 
Livraria Lello / Prólogo Livreiros | Porto 


Obrigado, Livreiros da Esperança! 





Encontro-Livreiro 

Setúbal, 27 de Fevereiro de 2014


http://encontrolivreiro.blogspot.pt/2014/02/livreiro-da-esperanca-2014.html

V ENCONTRO LIVREIRO está a chegar


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

já está confirmado

"Je veux une vie en forme d'arête" . vida e humor em Boris Vian
leitura encenada
20 de Março 
Pó dos Livros
18h30

Nasci, por acaso, no dia 10 de Março de 1920, à porta de uma maternidade, fechada por causa de uma greve de zelo. A minha mãe, grávida das obras de Paul Claudel (não posso com ele desde essa altura), estava no 13º mês e não podia esperar pela Concordata. Um santo padre que passava por ali apanhou-me e voltou a pousar-me; eu era efectivamente muito feio (a minha sobejamente conhecida aspersoriofobia data no entanto dessa altura). Por felicidade, uma loba esfomeada, e que acabara de dar à luz Pierre Hervé (tenho por isso exactamente a mesma idade dele, o que está perfeitamente de acordo com as teorias de einstein relativas à simultaneidade) pegou em mim debaixo da asa e deu-me de beber. Cresci em força e sabedoria, mas continuava tão feio como sempre, embora ornado por um sistema piloso descontínuo mas sempre muito desenvolvido. Na verdade era igual à Vitória de Samotrácia.
Tenho um metro e 86 pés descalços, peso bastante e escolho antes de qualquer outra coisa as obras de Alfred Jarry, a fornicação, Un Rude Hiver e a minha bem amada esposa. Não esqueço, embora só venham depois, a música da Nova Orleães, Duke Ellington, Lana Turner, Ann Sheridan, as sinfonias do Commodore W. Spotlight para sino duplo e bicicleta a petróleo, a pintura a óleo que pratico com raro prazer, o bigode do meu venerado Jean Rostand, as raparigas do Jazz-Club-Universitário (sobretudo uma loura de vestido verde... mas não insistamos), o two-beat (isto não é uma alusão sexual), e a mére Chaput. Detesto o Paul Claudel (já o disse, mas é agradável dizê-lo, e é por isso que nunca li nada dele), Le Grand Meaulnes, Alain (não o meu irmão, que é um tipo completamente maluco), Péguy, o violino de jazz tal como o praticam os franceses, as obras da imaginação, as mentiras e os aparelhos de pequeno formato, Ivan o Terrível, Leonard Father, Edgar Jackson, Le Dictateur, Dumont d'Urville, Monseigneur Suhard, o papa; do Barbotin até gosto. Também não gosto de peitos rasos (para as mulheres), de endívias e de merda, a não ser quando estão bem temperados.
Procuro um apartamento de cinco assoalhadas, com todo o conforto. Tenho uma vida movimentada mas estou pronto a recomeçar. 

Boris Vian

dos prémios literários

Pour parodier le prix de La Pléiade, [Boris Vian] crée ainsi un prix du Tabou. [...]
Interrogé à l'issue de cette cérémonie, Boris déclare, imperturbable, au Canard Enchaîne:
1. Qu'il n'avait pas lu le livre concerné.
2. Que le lauréat avait été tiré au sort.
3. Que le Prix du Tabou n'était qu'une occasion de boire gratuitement l'apéritif.
"Nous le remercions de son honnêteté intellectuelle, comme alors l'hebdomadaire satirique. Ce qu'il a dit est valable pour tous les prix littéraires. Mais Boris Vian est le seul à le dire."*

*Le Canard Enchaîné, 12 janvier 1948, cité par Jacques Duchateau dans Boris Vian ou les Facéties du destin.  



Boris Vian
Claire Julliard
Folio biographies
Éditions Gallimard, 2007

quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Luiz Pacheco - O Libertino

dia cortázar




se só tivermos um amor na vida, este é o meu, e hoje é dia de pensar nele e ouvi-lo falar. ele que diga o que quiser, qualquer coisa, até pode estar a ler o manual de instruções da torradeira.
ah! e se descobrir a pessoa que tem em casa o Histórias de Cronópios e de Famas, mato-a. mesmo. sem fofices. 





segunda-feira, 3 de fevereiro de 2014

último dia de inscrições!

Vamos ter Cesariny, Pacheco, O'Neill, Mário Henrique Leiria, António Maria Lisboa e outros. Vamos ter surrealismos e dadaísmos e outros ismos inventados por nós. Vamos conviver surrealisticamente. Vamos pensar surrealisticamente. Vamos surrealisticar. Podem vir a horas ou chegar atrasados. Podem vir ao contrário. Podem não vir.





A actividade surrealista não é uma simples purga seguida de um dia de descanso a caldos de galinha, mas revolta permanente contra a estabilidade e cristalização das coisas.


António Maria Lisboa

Curso em 4 sessões, 4.ªs feiras de fevereiro de 2014, às 21h, na Livraria Pó dos Livros.
Iscrições: 35€  podoslivros@gmail.com tel: 21 795 93 39



Com Rosa Azevedo: nasceu em 1982 em Lisboa. Terminou em 2004 a licenciatura em Línguas e Literaturas Modernas, maior em variante de estudos portugueses, franceses e menor em Literaturas do Mundo, em 2008 o mestrado em Edição de Texto. Tem realizado desde 2007 diversos cursos de literatura portuguesa e hispano-americana, para além de outros trabalhos de produção ligados à literatura, nomeadamente na área do surrealismo e dos novos autores portugueses. Fundou e foi presidente da Associação Cultural Respigarte. Foi livreira e hoje é produtora, formadora, revisora e dinamizadora e divulgadora da área dos livros.

Nós no Festival Silêncio, com a Cossoul

Este ano a Cossoul junta-se ao  Festival Silêncio  enquanto Parceiro Estratégico. Assim, o nosso espaço recebe parte da programação do Festi...