quarta-feira, 2 de maio de 2012

no 1º de Maio comprei este


o meu querido Rancière pega na história dos proletários do início do século XIX e faz uma ponte com a contemporaneidade. nada mais actual, portanto.

Sem comentários:

Ainda preciso escrever sobre Erskine Caldwell

Ando há uns tempos a desenvolver um fascínio por alguns escritores que não são escritores de obras primas, mas que usam a palavra para mar...