quarta-feira, 13 de maio de 2015

Reverso // Encontro de autores, artistas e editores independentes



PROGRAMA

DIA 14, QUINTA-FEIRA

17h00: Abertura da Feira do Livro e das Exposições

18h00-20h00 [Salão]
Comunicação de abertura | Apresentação de projectos e leituras: Revista Apócrifa – Projecto Literário em Curso, com Vasco Macedo e convidados | Lançamento: Vós, Luminosos e Elevados Anjos, de William T. Vollmann, da Editora 7 Nós, apresentado por Manuel João Neto | Mesa redonda: Da edição à recusa do silêncio, moderada por Rosa Azevedo, com Diogo Madredeus, Eduardo Sousa, Maria Quintans e Paulo da Costa Domingos

[20h00-21h30: pausa para jantar]

21h30-22h30 [Bar] Leituras e cinema: Poesia do século XXI, por Cláudio Henriques, Iolanda Laranjeiro, Miguel Santos e Susana Arrais | Arquipélago: projecção do episódio Rui Nunes – mensageiro diferido | Projecção da curta-metragem A mão cinzenta, de Hugo Magro | Concerto: Piiano

23h30: Selecção musical de Raquel Nobre Guerra e Valério Romão

DIA 15, SEXTA-FEIRA

17h00–22h00: Feira do Livro e Exposições

18h30-20h00 [Salão]
Apresentação de projectos: Flanzine e Flan de Tal; Abysmo | Mesa redonda: Ilustração e Tipografia, moderada por Rui Miguel Ribeiro, com Luís Henriques, Pedro Serpa e Sara Figueiredo Costa

[20h00-21h30: pausa para jantar]

21h30-23h30 [Bar]
Mesa redonda: Nas costas da loucura, moderada por David Teles Pereira, com Abel Neves, Frederico Pedreira, Miguel Cardoso e Vasco Gato | Leituras: Preparativos inúteis para um motim em Lisboa, por Miguel Cardoso; Voo Rasante e Natural in Verso – Mariposa Azual; Que o fogo recorde os nossos nomes, de Antonio Orihuela, por Daniel Macedo Pinto | Concerto: Favola da Medusa

23h30: Selecção musical de Vasco Gato e Frederico Pedreira

DIA 16, SÁBADO

17h00–22h00: Feira do Livro e Exposições

17h30-20h00 [Salão]
Apresentação de projectos: Editora Palavras por Dentro | Debate: Edição em Portugal – Uma história de dependência ou de independência?, com Hugo Xavier e Rosa Azevedo | Leituras: A morte do artista, textos de e por Fernanda Cunha, Firmino Bernardo, João Eduardo Ferreira e Manuel Halpern | Mesa redonda: Os Espaços da Crítica, moderada por Paulo Tavares, com António Carlos Cortez, Gustavo Rubim, Joana Emídio Marques, José Mário Silva, Maria da Conceição Caleiro e Nuno Fonseca

[20h00-21h30: pausa para jantar]

21h30-23h30 [Bar]: Lançamento: Quiz show, de Kraus G., da Editora a tua mãe*, apresentado por Rafael Dionísio | Leituras: Autores Artefacto, por Paulo Tavares e Sara M. Felício; “O mais belo espectáculo de horror somos nós”, por Rosa Azevedo e convidados; POEMANIFESTO Revisitado – Flan de Tal & Senhor Vulcão Concerto: The Crubi (Beatriz Bagulho – baixo / Cruna – bateria) + Nuno Moura (Leituras)

23h30: Selecção musical de Grémio Nefelibata

EXPOSIÇÕES 
Trabalhos soltos, de Clube do Inferno (André Pereira, Astromanta, Hetamoé, Hugo e Mao) | Four Hours, de David Gonçalves | (sem título), de Hugo Xavier | Rememoração, de José Josué | Arritmias, de José Pedro Trindade

EDITORAS E PROJECTOS PRESENTE NA FEIRA DO LIVRO
abysmo, 7 Nós, Apenas Livros, Artefacto, By the Book, Companhia das Ilhas, Clube do Inferno, Diagramas, Do Lado Esquerdo, DSO, Douda Correria & Mia Soave, Editora a tua mãe*, Flanzine e Flan de Tal, Guilhotina, Grisu, Língua Morta, Livro de Ontem, Mariposa Azual, não (edições), Oficina do Cego, Palavras por Dentro, Palimpsesto, Photozine Azedume, Revista Apócrifa, Revista Bíblia, Rodrigo Miragaia, Tea for One, The Portfolio Project & Huggybooks

ler na retrete, henry miller


“Creio que actualmente lemos pelas seguintes razões: em primeiro lugar, para nos afastarmos de nós próprios; em segundo lugar, para nos armarmos contra perigos reais e imaginários; em terceiro lugar, para “acompanhar” os vizinhos ou impressioná-los, o que é uma e a mesma coisa; em quarto lugar, para saber o que se passa no mundo; em quinto lugar, para desfrutarmos, o que significa sermos estimulados de modo a alcançarmos uma maior actividade e riqueza interior.
[…] Não é necessária muita reflexão para concluir que, se uma pessoa fosse justa consigo mesma e tudo estivesse bem no mundo, só a última razão, a que hoje em dia tem menos importância, seria válida.”

este é um livro do qual não se devia falar. podíamos dizer que é um livro sobre a leitura, pragmática e de profundidade, livro que questiona a utilidade da própria leitura - ler na retrete é ler com uma utilidade contextual. qualquer uma destas interpretações, não estando longe da verdade, estão a fugir ao próprio propósito do livro, discutir e incentivar a absoluta liberdade do leitor que não deve necessitar da leitura para disfarçar momentos de silêncio e contemplação.

na verdade assistimos a uma dessacralização da leitura, leitura essa que é orgânica e não sagrada, interior e não cumpre regras ou ditames, pertence a todos de forma democratizada e independente de constrangimentos exteriores como a história ou a cultura - é por isso um livro sobre a solidão, uma apologia da individualidade e da leitura como parte integrante do homem e que por isso não é parte obrigatória dessa humanidade.

(e é também, claro, um livro sobre a importância de nos libertarmos do que em nós está a mais e que não é utilizado pelo corpo e que por isso deve ser expelido libertando-nos de impurezas.)

não é possível concluir se Miller defende ou condena a leitura na retrete, no limite nem interessa. não se pode afirmar nada deste teor em livros que são hinos à liberdade do leitor. fica a cada leitor o entendimento de uma resposta na verdade impossível de obter.

esta é uma edição cuidada e conjunta ignota e sr teste. em bom.

para comprar, aqui: assimparece@gmail.com ou na livraria sr teste + ignota, na S. I, Guilherme Cossoul, em Lisboa.

Quartos Alugados, Alexandre Andrade

Escrever sobre Alexandre Andrade é uma tarefa ingrata porque há escritores de quem apetece guardar silêncio. Isto porque são escritores d...