sexta-feira, 5 de abril de 2013

quinta-feira à noite com Russell

"Como tantos outros que tiveram uma educação puritana, eu tinha o hábito de meditar nos meus pecados, nas minhas loucuras e nas minhas imperfeições. Julgava-me - sem dúvida com razão - um sujeito miserável. A pouco e pouco porém aprendi a ser indiferente em relação a mim próprio e às minhas deficiências; comecei a concentrar cada vez mais a minha atenção nos objectos exteriores: a situação do mundo, os vários ramos do saber, as pessoas pelas quais sentia afeição. É certo que os interesses exteriores comportam também muitas possibilidades de sofrimento: o mundo pode ser mergulhado na guerra; o saber, em certa direcção, pode ser difícil de adquirir; os amigos podem morrer. Mas os sofrimentos desta ordem não destroem a qualidade essencial da vida como o fazem os que resultam da aversão por si mesmo. Além disso, todo o interesse exterior incita a qualquer actividade, o que é óptimo preventivo contra a tristeza enquanto esse interesse permanece vivo. O interesse por si próprio, pelo contrário, conduz à inactividade de uma forma progressiva: a escrever um diário, a psicanalizar-se ou talvez a tornar-se monge."

Bertrand Russell
À Conquista da Felicidade
Guimarães Editores

Sem comentários:

Nós no Festival Silêncio, com a Cossoul

Este ano a Cossoul junta-se ao  Festival Silêncio  enquanto Parceiro Estratégico. Assim, o nosso espaço recebe parte da programação do Festi...