quinta-feira, 20 de março de 2014

hoje borisviana-se

"Je veux une vie en forme d'arête" / "quero uma vida em forma de espinha". vida e humor em Boris Vian . leitura encenada 

20 de Março
18h30
Pó dos Livros



pensei a primeira vez este espectáculo do Boris Vian em 2012 quando se tornou difícil a saudade do palco (já lá vão uns anos). desde aí li descontraidamente todos os livros dele e pensei o que seria isto. há um mês a Isabel da bela Pó dos Livros desafiou-me a apresentar isto a 20 de Março a convite do Instituto Franco-Português. disse sim baixinho e alto que ia pensar. tive um mês, mês em que entrei numa obsessiva e total vivência em Boris Vian. não tinha nada escrito em dois anos, só muito lido e vivido. num mês vivi, li, pensei Boris Vian. imaginei como seria, desisti algumas vezes, tive insónias e, sobretudo, fui absolutamente feliz este mês. até hoje, que acordei a dizer o guião e percebi que não sabia a terceira palavra.
decidi que faria o Boris sozinha porque tinha pouco tempo. mas depois de cada vez que parecia impossível levar isto à frente com alguma credibilidade iam-se juntando pessoas. o meu querido irmão juntou-se a criar com um amigo que nem me conhece um inteiro cenário feito de luzes transformando a sala da Pó dos Livros num verdadeiro cenário teatral. O Manuel Cintra juntou-se com a voz a cantar as músicas que o Boris fez no final da vida. O Leandro trouxe corpo ao espectáculo, criou uma personagem, gravou a voz do Boris Vian, ajudou-me a ver nisto um espectáculo coerente. Depois a Ana ofereceu-se para tirar fotografias, a Andreia emprestou a roupa, a Ana encontrou uma maquilhadora / cabeleireira de época. por último o João veio ontem em meu auxílio quando a um dia do espectáculo fiquei sem ajuda no som (lido mal com imprevistos). seja como for é a pessoa certa porque na vida já fizemos muitas coisas de improviso e em bom (também éramos mais novos... ). e a minha mãe que aturou algum mau humor e cansaço, que me deixou assaltar-lhe a casa e fez jantar para quando eu nem tinha tempo para comer. e claro, um grande obrigada aos meus amigos e seguidores do facebook e do blog e da vida que aturaram uma obsessão insuportável. pronto, já acabou o desassossego.
uma última palavra para a minha livraria de Lisboa e do mundo, a Pó dos Livros que nem pestanejou quando invadimos a livraria com o que inicialmente ia ser uma leitura e que já é um palco inteiro. não há disparate nenhum a que me torçam o nariz.
isto para dizer que hoje sobe ao palco "Je veux une vie en forme de arrête" onde vos vou contar como Boris conseguiu, sim, ter uma vida em forma de espinha. nada linear e rica como poucas, em apenas 39 anos. nesse palco não haverá espaço para todos os que fazem parte disto.
faço já os agradecimentos porque se correr mal estarei numa gruta durante duas semanas, se correr bem estarei na praia sem me mexer, em silêncio, a apanhar sol, com pequenos intervalos para ler uns livros que não sejam Boris Vian.
até já meus caros! vamos borisvianar.

1 comentário:

Anónimo disse...

rosa my darling és grande e linda e maravilhosa e inteligente e talentosa e vá, gira. e por tudo isto e tb por mais e coisas que agora n interessa trazer para aqui, vai correr tão bem!

e n é anónimo, é anónima.
ana

Manuel Resende

Manuel Resende, Em Qualquer Lugar seguido de O Pranto de Barlomeu de Las Casas , &Etc, 1997