quinta-feira, 16 de agosto de 2012

mais uma ilha da ahab



o david vann é que a sabe toda. aquelas personagens, aquele destino fatal das ilhas. a claustrofobia. a nossa entrada lenta dentro de uma fatalidade tão grande que nos desconforta na cadeira. uma vontade de lhe dizer "não vás". uma vontade de voltar atrás. de parar o tempo daquela família. um livro que nos agarra nos ombros e diz "tem de ser". um livro que está escrito de uma forma que nos parece simples na superfície, tranquilo, mas que nos mostra o tom de fatalidade.
só os grandes escritores nos contam uma história por trás das palavras. o david vann faz isso.
a ahab faz magia com os livros todos. caramba. 

Sem comentários:

Manuel Resende

Manuel Resende, Em Qualquer Lugar seguido de O Pranto de Barlomeu de Las Casas , &Etc, 1997