quinta-feira, 21 de novembro de 2013

das ligações

"As ligações evitam que uma pessoa chegue ao isolamento final da cidade e que de certa maneira não se atire do 8º andar. Há uma frase do Novalis de que gosto: "estamos sós com tudo aquilo que amamos". A nossa solidão tem o tamanho das nossas ligações. Um casal de namorados que está apaixonado cria uma solidão, despovoa tudo à volta, desliga-se de tudo o resto. Isso também é para mim muito forte e está neste livro como em muitos outros. A questão de haver um vínculo muito grande entre as ligações e as desligações. O interessante é que a escolha amorosa é uma escolha antecedida de uma grande violência, é não escolher os outros, quase ignorá-los. O elogio de duas pessoas que se enamoram, que se esquecem de tudo, não precisam de mais nada, pode ser visto como algo absolutamente insultuoso em relação a toda a cidade. O que um poeta romântico colocaria em versos muito bonitos, do ponto de vista da cidade, é qualquer coisa muito perigosa, uma afronta. Se todas as pessoas estivessem totalmente enamoradas e lhes fosse totalmente indiferente se a principal torre da cidade caísse ou não, não ficaria ninguém para a proteger. Todas as cidades já teriam sucumbido."

Gonçalo M. Tavares
JL
13 a 26 de Novembro 2013

Sem comentários:

Manuel Resende

Manuel Resende, Em Qualquer Lugar seguido de O Pranto de Barlomeu de Las Casas , &Etc, 1997