sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

hoje mudei o cabeçalho e deixo-vos o Hakim Bey

Capítulo de "Caos, os Panfletos do Anarquismo Ontológico" (parte um de "Z. A. T."),

de Hakim Bey

ESTRANHAS DANÇAS NOS SAGUÕES de Bancos 24 Horas. Espetáculos pirotécnicos não autorizados. Arte terrestre, trabalhos- telúricos como bizarros artefactos alienígenas espalhados em Parques Nacionais. Arromba casas mas, ao invés de roubar, deixa objectos Poético-Terroristas. Rapta alguém e fá-lo feliz. Escolhe alguém aleatoriamente e convence-o de que ele é herdeiro de uma enorme, fantástica e inútil fortuna: digamos 8000 quilómetros quadrados da Antártida, ou um velho elefante de circo, ou um orfanato em Bombaí, ou uma coleção de manuscritos alquímicos. Mais tarde, ele irá dar-se conta de que acreditou por alguns poucos momentos em algo extraordinário, & talvez, como resultado, seja levado a procurar uma forma mais intensa de viver.

Prega placas comemorativas em locais (públicos ou privados) onde experimentaste uma revelação ou tiveste uma experiência sexual particularmente especial, etc.

Anda nu por aí.

Organiza uma greve na tua escola ou local de trabalho, com a justificativa de que não estão a ser satisfeitas as tuas necessidades de indolência & beleza espiritual.

A Arte do grafitti emprestou alguma graça à metros horrendos & rígidos monumentos públicos. A arte Poético-Terrorista também pode ser criada em locais públicos: poemas rabiscados em casas de banho de tribunais, pequenos fetiches abandonados em parques e restaurantes, arte distribuída em pára-brisa de carros estacionados, Slogans em Letras Grandes em muros de playgrounds, cartas anónimas enviadas a destinatários aleatórios ou escolhidos (fraude postal), transmissões piratas de rádio, cimento fresco...

A reacção da audiência ou o choque estético produzido pelo Terrorismo Poético deve ser pelo menos tão forte quanto a emoção do terror: nojo poderoso, excitação sexual, admiração supersticiosa, inspiração intuitiva repentina, angústia dadaísta - não importa se o Terrorismo Poético é direcionado a uma ou a várias pessoas, não importa se é "assinado" ou anónimo; se ele não muda a vida de alguém (além da do artista), ele falhou.

O Terrorismo Poético é um acto no Teatro de Crueldade que não tem palco, nem bancos, bilheteira ou paredes. Para funcionar, o TP deve ser categoricamente divorciado de todas as estruturas convencionais de consumo de arte (galerias, publicações, media). Mesmo as tácticas guerrilheiras Situacionistas de teatro de rua já estão muito bem conhecidas e esperadas, actualmente.

Uma requintada sedução levada adiante não apenas pela satisfação mútua, mas também como um acto consciente de uma vida deliberademente mais bela: este pode ser o Terrorismo Poético definitivo. O Terrorista Poético comporta-se como um aproveitador barato cuja meta não é dinheiro, mas MUDANÇA.

Não faça TP para outros artistas, faça-o para pessoas que não perceberão (pelo menos por alguns momentos) que o que acabaste de fazer é arte. Evita categorias artísticas reconhecidas, evita a política, não fiques por perto para discutir, não sejas sentimental; sê impiedoso, corre riscos, vandaliza apenas o que precisa ser desfigurado, faz algo que as crianças se lembrem para o resto da vida - mas sê espontâneo apenas quando a Musa do TP te tenha possuído.

Fantasia-te. Deixa um nome falso. Sê lendário. O melhor TP é contra a lei. Arte como crime; crime como arte

Sem comentários:

Clarice Lispector

À Descoberta do Mundo, Clarice Lispector, Relógio de Água