terça-feira, 28 de janeiro de 2014

palavra do dia

Só o homem nu, absurdamente nu, capta e transcende nele o absurdo, ao reconhecer, no verdadeiro riso e nas verdadeiras lágrimas, a gigantesca aldrabice que lhe inculcavam como autoridade.
Ernesto Sampaio
Luz Central


é possível colocar o absurdo em dois lados diferentes. não opostos (se é que há disso, lados opostos). por um lado o absurdo como o que não é da razão. por outro o absurdo como o que não é da razão. a palavra do dia podia assim ser a razão, uma vez que o absurdo tem os seus opostos em espelho apenas dependente do conceito de razão.
a razão não fecha em si própria qualquer tipo de valor. não existe sem ser em forma de acção sobre o objecto. nessa acção podemos então perceber o ponto em que a razão passa a ser perniciosa.
está então em aberto a definição de absurdo. o absurdo é a ausência de razão. a razão é o um não lugar ou o lugar onde possivelmente nunca saberemos se queremos habitar.
eu prefiro habitar o absurdo.


o priberam volta assim a ser tendencioso.

absurdo
o contrário de autoridade
o contrário de consciência
o mesmo que o amor
 


ab·sur·do

adjectivo
1. Contrário ou repugnante à razão.

substantivo masculino
2. O que contrário à razão, à sensatez, ao bom senso.
3. Qualidade do que é absurdo.
4. Despropósito, insensatez, disparate.

"absurdo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/absurdo [consultado em 28-01-2014].

Sem comentários:

Clarice Lispector

À Descoberta do Mundo, Clarice Lispector, Relógio de Água