terça-feira, 22 de outubro de 2013

o problema das obsessões quando não há material a pulular que nem cogumelos que nos alimente a doença

ando com os surrealistas e os malditos na cabeça. penso nisso muitas vezes por dia, no que eles significaram e querem dizer com o que afirmam. passaram, de alguma forma, a fazer parte do meu raciocínio. quando na pó dos livros comecei a falar deles percebi que falar para um público que nunca ouviu falar desta forma de pensar surrealista pode ser mais desafiante do que se possa imaginar. é preciso mesmo ver-nos de fora, limpar a cabeça do conhecimento e dos trágicos pré-conhecimentos que transformam em óbvias ideias que são tudo menos isso. claro que adoro que surjam dúvidas e questões, prefiro-as aos olhos incrédulos e desconfiados. daí até gostar do "anónimo" deste blog que gosta de provocar.
comprei ontem, na pó, este livro. não adoro o autor mas adoro o tema. e até me daria gozo discordar de algumas coisas que ele diz. uma obsessão é isto mesmo. ler tudo. o bom e o mau, porque nem sempre se aumenta conhecimento com o acordo. vamos lá ver. seja como for, fala-se pouco de ser maldito. darei retorno desta leitura em breve.


Sem comentários:

Manuel Resende

Manuel Resende, Em Qualquer Lugar seguido de O Pranto de Barlomeu de Las Casas , &Etc, 1997